Google+ Badge

Google+ Followers

NADA COMBINA COM DROGA - NEM A VIDA

NADA COMBINA COM DROGA - NEM A VIDA

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

ALZHEIMER

ALZHEIMER - PARTE II

O importante é que mesmo não podendo ser curada, é uma doença que pode ser tratada objetivando melhor qualidade de vida e redução da velocidade de degeneração dos neurônios. A família também recebe bastante apoio dos tratamentos, que inclui: médicos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, psicólogos e enfermagem domiciliar geralmente nas fases mais avançadas. Uma boa casa de cuidados ajuda muito, tanto pra moradia, quanto para passar o dia.
Atualmente percebemos que a doença de Alzheimer assume uma origem multifatorial, ou seja, diversos fatores podem estar envolvidos sem sabermos quais são os certos. Mas é certo que… todos nós podemos desenvolver esta demência. A genética e a cultura influenciam muito, mas conhecemos casos de pessoas intelectuais com Alzheimer, negros, brancos, ricos e pobres, felizes e tristes… O que podemos fazer para prevenir esta demência?
Bem, como ainda não sabemos a origem certa, não tem como prevenir de forma eficaz, mas tem como seguirmos um ritmo de vida saudável o melhor possível garantindo nosso engajamento no mundo através da forma como cuidamos do corpo físico, de nossas habilidades, nossos relacionamentos, nossos interesses por novidades e principalmente senso de compreensão dos limites humanos e ao mesmo tempo satisfação por cada instante vivido.
Mas você sabia que existem mais de 200 tipos de demência? Sim! E que podem ocorrer em quaisquer idades? Demência não é coisa de velho apesar da fácil associação que fazemos com esta fase da vida pela imagem fácil do desgaste que uma demência nos oferece. Pois ao desgaste… atribuímos algo que está velho!
Podemos olhar para a palavra demência através do conceito de “sem mente” por haver perda de massa cinzenta, a massa que é formada pelos corpinhos dos neurônios. Particularmente acho que deveria ser “decerebrência” ou “decerebrado” por acreditar que é impossível destruir a mente, mas o cérebro, sim! Ele é corpo físico e.. é ele, o bonitão formado por neurônios, diferente da mente que é formada por idéias.
Concordo que para haver idéias é preciso jogar informação na mente vinda através das conexões dos neurônios. Mas acabam sendo todas palavras muito feias, de qualquer jeito, não é mesmo? Acho que é por isso que preferiram chamar tudo de Alzheimer. 
Terapeuta ocupacional em geriatria e gerontologia. Especialista em espiritualidade e autoconhecimento. Instrutora de oficinas de memória há 10 anos. Colaboradora do Projeto Terceira Idade.

Nenhum comentário: